Meus Retalhos

Bruxa Helena

É uma dessas mulheres que foi
Empregada doméstica, cozinheira.
Arrumadeira, passadeira, pescadora
Tiradeira de leite no curral e sonhadora


Não cavalgou no cavalo de tróia
E nem inspirou Manoel C. Bandeira.
Já varou noites ouvindo música
Pintando com giz de cera e escrevendo besteiras.


Uma mulher que reverencia o sol,
A natureza, a lua e as estrelas.
Faz vôos imaginários com os pássaros
E mergulha nas águas da cachoeira


Sabe manipular poções mágicas
Com mel, ervas, café e chás
Que sempre deixam um gosto na boca
De proibido, mas, “quero mais”.


Causadora de ira e inveja em
Santas e mal amadas mulheres
Que entre descasos e desamores
Aprenderam fingir e distribuir flores


Dama que esconde pensamentos secretos
Usando máscaras para disfarçar
Seus desejos escondidos pelo tempo
Para encantar seus belos amores.


Tem cara de mulher madura, mas é menina.
Sabe ser cúmplice e tem a língua ferina
Faz amor no mato, na lama, na chuva,
Na rede, no carro, na cidade ou na fazenda.


Faz os olhos de um homem sorrir
E prazer o seu corpo, sabe pedir.
Não tem preconceito de raça e nem cor
E sabe amar seus homens sem pudor


Traz alegria nos gestos e nas palavras veneno
Pois carrega na alma o peso das mentiras
Dos maravilhosos e eternos amantes
Que fazem parte da história da Bruxa Helena


(07/12/2009)

É só mais um dia de noite escura

Doce recanto ou Paraíso
População: dois apaixonados
Roupas espalhadas pelo chão
E marcas nos lençóis molhados
Solidão e tristeza foram embora
Na cavalgada veloz de um alazão
No silencioso trotar galopeiro

De corpos quentes e cheios de tesão.
O suor escorre na pele em chamas
Surge na janela o raio da manhã

O coração pulsa em suave harmonia
E a voz doce diz: é só mais um dia!
O vento entra pela janela em rajada
Anunciando tempestade e noite fria
O sonho acaba na madrugada
Fica a saudade como companhia
Lágrimas que rolam escondidas
Marcam mais uma despedida
E no coração a dúvida invade
Onde a verdade está escondida?
O que passou, não voltará mais
O mal que existe, não tem cura
A realidade… É uma noite escura!

(31/12/2009)
 
A Vida sem Amor

Imaginar a vida sem amor
È como o peixe fora d’água
Como espinho sem a flor
E a distância sem saudade
O céu sem o tom azulado
Os pássaros sem revoada
A noite sem as estrelas
E o rio sem cachoeira
É a terra sem a semente
Alegria sem estar contente
Fazer carinho sem chamego
E abraçar sem aconchego
É namoro sem avanços
Rede sem doce balanço
Fazer sexo sem vontade
…E viver pela metade!

01/01/2010

A Hora do Adeus

Quando eu morrer na lápide fria
Escreva meu nome em forma de poesia
Conte ao mundo com emoção
A grande história de nossa paixão

Na hora triste do final do dia
Reverencie o sol e reze a Ave Maria
A mãe Natureza que tudo sente
Resplandecerá luz em sua mente

Ao rolar uma lágrima na tumba fúnebre
Enxugue os olhos e não chore mais
Toque o coração, imagine onde estou
E onde eu estiver… Terei paz

Eo novo dia quando surgir
Voe com os pássaros para sorrir
Deixe que o tempo cure as feridas
E seu coração voltará a florir.


(17/01/2010)

Autora: Helena Bernardes

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s